quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Why We Get Fat, de Gary Taubes

Why we get fat, de Gary Taubes


3 anos atrás eu estava lendo Why We Get Fat, de Gary Taubes, e fiz os seguintes comentários no Facebook. O livro já foi traduzido. Abaixo os comentários.

Que livro fantástico! Terminei o prefácio e o Capítulo 1.
Algumas pessoas acham que a obesidade é causada por excesso de alimentos e estilo de vida sem movimento.
Gary Taubes mostra que isto está errado. Como? Dando exemplos de várias sociedades em que as pessoas comem pouco, se movimentam bastante, e mesmo assim são obesas:
O Capítulo 2 explica por que é bobagem achar que comendo menos calorias as pessoas irão emagrecer. Várias pesquisas foram realizadas ao longo dos anos e o máximo que se conseguiu foram resultados temporários.

O Capítulo 3 explica porque exercícios não funcionam para o emagrecimento. É porque eles abrem nosso apetite. A pessoa que se exercita mais acaba comendo mais. É fato que as pessoas que se exercitam mais são mais magras, mas elas talvez se exrecitem mais por serem mais magras, e não o contrário.

Também escrevi isto:

Gary Taubes é mesmo fantástico. Se você entende inglês e se interessa pela Ciência da Nutrição (ou melhor, pela FALTA de CIÊNCIA na Nutrição atual), você tem que escutar este podcast.
E coloquei um link para esta palestra com ele

E o trecho abaixo:


"The science tells us that obesity is ultimately the result of a hormonal imbalance, not a caloric one—specifically, the stimulation of insulin secretion caused by eating easily digestible, carbohydrate-rich foods: refined carbohydrates, including flour and cereal grains, starchy vegetables such as potatoes, and sugars, like sucrose (table sugar) and high-fructose corn syrup. These carbohydrates literally make us fat, and by driving us to accumulate fat, they make us hungrier and they make us sedentary."

Mais um trecho:

"our bodies are getting bigger because we’re putting on fat, and so our fuel requirements are increasing. When we get fatter, we also add muscle to support that fat. (Thanks again in part to insulin, which assures that whatever protein we consume is used for repairing muscle cells and organs and for adding muscle, if necessary.) So, as we fatten, our energy demand increases, and our appetite will increase for this reason as well—particularly our appetite for carbohydrates, because this is the only nutrient our cells will burn for fuel when insulin is elevated. This is a vicious cycle, and it’s precisely what we’d like to avoid. If we’re predisposed to get fat, we’ll be driven to crave precisely those carbohydrate-rich foods that make us fat."

Em 28/12/2012 escrevi:

Um capítulo mais fantástico do que o outros.
Nos trechos abaixo, dá para entender um pouco por que a maioria dos médicos e nutricionistas nos passam tanta informação errada.
"Health officials had come to believe that dietary fat causes heart disease, and that carbohydrates are what these authorities would come to call 'heart-healthy.'"
"As a result, doctors and nutritionists started attacking carbohydrate-restricted diets, because they bought into an idea about heart disease that was barely even tested at the time and would fail to be confirmed once it was (as I will soon discuss). They believed it, though, because people they respected believed it, and those people believed it because, well, other people they respected believed it."
"We now know that this is not a medical fact, but the nutritionists didn’t in 1965, and most of them still don’t."

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

Pontos de vista evolucionários sobre nutrição, Primal North

Texto escrito na página Primal North em 2012, traduzido por mim.

Seus pontos de vista evolucionários sobre nutrição podem mudar se você considerar o seguinte.
Animais defendem-se por meio de garras, dentes, e bicos. Espinhas, ferrões venenosos, etc... Praticamente todos estes mecanismos de entrega de morte deixam de funcionar após a morte do animal.
As plantas, por outro lado, também têm defesas. No entanto, ao contrário dos animais, quase todas as plantas dependem de um sistema mais tortuoso de defesa. Animais estão na luta pela sobrevivência pessoal, o mais forte vai procriar. As plantas estão na luta pela espécie. Elas "sacrificam um pela equipe." Fitonutrientes? Exemplo perfeito. Não faz nada para salvar a planta quando você arranca-a do chão, mas coma o suficiente ao longo do tempo e sua saúde cai, você não prospera, entretanto, as ditas plantas sobreviventes irmãs continuam a florescer e manter a espécie forte.
Plantas, como forma de defesa, não estão procurando matar você, mas sim enfraquecer sua genética/epigenética.
Escolha seus alimentos vegetais com cuidado, grãos não são o único bicho-papão.







"Seus pontos de vista evolucionários sobre nutrição podem mudar se você considerar o seguinte.Animais defendem-se por...
Posted by Adolfo Neto on Monday, December 17, 2012

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Onde encontrar produtos Low Carb e Paleo em Curitiba?

Nata:
  • Bons supermercados, como Festval (minca marca favorita é a Frimesa, beneficiada em Matelândia-PR), Condor, Big, entre outros
Carne Orgânica:
  • Taurino's no Mercado Municipal - Setor de Orgânicos
Ghee:

  • Chaleira Orgânica (Nunes Machado com a Silva Jardim).


Nozes e Castanhas:
  • Mercado Municipal
  • Várias lojas de produtos naturais

Manteigas não-orgânicas mas de qualidade razoável:
  • No mesmo lugar onde encontro Nata.

Carnes processadas artesanalmente:
PS: Este post está em permanente construção. Quer acrescentar alguma informação? Deixe nos comentários e atualizarei quando possível. H/T para Everaldo Gomes pela ideia.

Praça Oswaldo Cruz

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Trechos do Capítulo sobre Maffetone em Natural Born Heroes, de Christopher McDougall

Destaques nas imagens do meu post no Tumblr.
  1. A diferença entre almoço/jantar e sobremesa acabou.
  2. Devemos comer todas as partes que pudermos dos animais
  3. Pitágoras, o matemático, interessava-se por esportes
  4. Alimentação é apenas parte da equação. Modificar o treinamento também é fundamental.
  5. Quanto tempo leva para aprender a se alimentar? Duas semanas.
  6. Coma a quantidade que quiser durante o teste.
  7. Quando o teste acabar, reintroduza certos alimentos.

Parque Barigui, Curitiba
http://adolfont.tumblr.com/post/133928709437/the-chapter-on-fat-as-fuel-is-excellent

terça-feira, 10 de novembro de 2015

Dieta low carb NÃO É dieta da proteína!

Acabo de receber um email (ver imagem abaixo) contendo o seguinte absurdo:

A dieta da proteína é a dieta mais eficaz que existe hoje no mercado. Ela permite uma perda de peso rápida, muito rápida na verdade!
Com a dieta da proteína, também conhecida como dieta "low carb" (...)

Em primeiro lugar o erro em focar na perda de peso. O objetivo deve ser sempre saúde.

Em segundo lugar em dizer que "dieta da proteína" é conhecida como dieta "low carb". A Mariana Montezzana, do Blog Vida Low Carb, já escreveu:

Não confunda dieta low carb com dieta da proteína

Mas parece que não aprenderam. Ou não querem aprender (pois estão lucrando com isso).


Trecho do email que recebi

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Panfleto da UTFPR sobre Câncer de Próstata é Baseado em Evidências?

Ontem aconteceu a #Tecnológica, a Feira de Profissões da UTFPR, onde trabalho.

E foi com muita tristeza que recebi o panfleto abaixo, produzido pelo CIMCO Câmpus Curitiba.

Reparem no último item entre os "Fatores Nutricionais x Ca de próstata" (não entendi o "x" nem porque escrever "Ca" e não câncer:

- dieta rica em gordura: favorecem (sic) o ganho excessivo de peso com consequente produção de agentes inflamatórios (ver terceira imagem abaixo)

Em prmeiro lugar o erro de concordância: "dieta" e "favorecem"?

Em segundo lugar (e mais importante): de onde tiraram que dietas ricas em gordura favorecem o ganho excessivo de peso? De algum documento da década de 1970?

A autora do texto é Silvia Eiko Yoshioka, nutricionista da UTFPR. E ela cita como fontes (última imagem) dois sites do governo e quatro sites que não podem ser bases de recomendações vindos de um documento produzido por uma universidade:
Onde estão as referências a artigos científicos? Onde estão as evidências de que "dietas ricas em gordura favorecem o ganho excessivo de peso"?










quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Nossos antepassados viviam pouco? Nassim Taleb comenta

Post para mostrar para aquelas pessoas que dizem que nossos antepassados viviam pouco*.

Tradução parcial e texto original completo abaixo:

"Muitas pessoas ficam dizendo provocativamente que nós tendemos a viver mais tempo do que nossos ancestrais usando a medida mal interpretada da "expectativa de vida". 
Mas "expectativa de vida" não mede a DURAÇÃO da vida das pessoas. 
Ela principalmente diz a você quantas crianças não sobrevivem. Portanto, esforços em reduzir a mortalidade infantil quando esta é alta estendem a expectativa de vida muito mais do que esforços com objetivo de fazer as pessoas viverem mais tempo.
(...)
Se você quer realmente medir quanto tempo as pessoas vivem, use a expectativa aos 40 anos. 
Para aqueles que gostam destas coisas, esta é a ilustração perfeita do belíssimo conceito de ergodicidade.


* Se você não sabe quem é Nassim Nicholas Taleb, leia sobre ele na Wikipédia. Leia também este post sobre o conceito de Via Negativa.

Many people keep boasting that we tend to live longer than our ancestors using the misinterpreted measure of life expectancy.
Life expectancy doesn't tell you how LONG people live.
It mostly tells you how many children fail to survive. So reducing childhood mortality when it is high extends life expectancy much more than efforts aiming at making people live longer. For instance bringing childhood mortality down from 30% to what we have today, close to 0, extends life expectancy by about 25 years --which is the bulk of the gains since the middle ages.
If you want to really measure how long people live, use the expectancy at 40.
For those into these things, this is the perfect illustration of the beautiful concept of ergodicity.





Many people keep boasting that we tend to live longer than our ancestors using the misinterpreted measure of life...
Posted by Nassim Nicholas Taleb on Wednesday, November 4, 2015


Os principais livros de Nassim Taleb esão disponíveis para Kindle:


domingo, 1 de novembro de 2015

Bacon no Catraca Livre

O Catraca Livre postou isto aqui (ver imagem abaixo) e citou um link Dr. Jose Carlos Stumpf Souto (no Dieta Low-Carb e Paleolítica) e a tradução da Regiany Floriano no Menos Rótulos! Vejam a parte "Fontes aqui e aqui." Estão de olho na gente!

Fonte: https://catracalivre.com.br/geral/saude-bem-estar/indicacao/bacon-salsicha-e-linguica-podem-nao-causar-cancer/



Aquele Filme sobre o Açúcar

A equipe da Nova Zelândia de Rugby assistiu aquele filme sobre açúcar (That Sugar Film).

Reduziram o consumo de açúcar.

Resultado, na final da Copa do Mundo de Rugby contra a Austrália, foram campeões do mundo.

Detalhe: o filme é australiano :)

Fonte: https://twitter.com/damongameau/status/660693747034886144

Assistam. O filme é ótimo.







segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Como a publicidade doura a pílula, por Erik Neves

"Por lei, os ingredientes devem ser listados em ordem de peso/volume. Olha o que vem do site oficial deles:

Água, açúcar, suco concentrado de maçã, suco concentrado de laranja, aroma sintético idêntico ao natural, reguladores de acidez ácido cítrico e citrato de sódio, espessantes carboximetilcelulose sódica e goma xantana, conservadores benzoato de sódio e sorbato de potássio, sequestrantes hexametafosfato de sódio e EDTA cálcio dissódico, estabilizantes acetato isobutirato de sacarose e dioctil sulfosuccinato de sódio, corantes artificiais tartrazina e amarelo crepúsculo FCF.

Principais ingredientes são água e açúcar. Aí vem suco de maçã e, só depois, de laranja. No final, dois corantes amarelos, pra você achar que tem muita laranja.

Aliás, tá lá escrito: "contém 10% de suco"

E como são 20g de carboidratos em 200mL (vindos dos míseros 10% de suco e do muito açúcar adicionado), a Del Valle poderia dizer que "contém 10% de açúcar".

Para comparar, o mesmo volume de Coca-Cola tem 21g de açúcar – praticamente o mesmo.

http://www.delvalle.com.br/pt/produtos/del-valle/"

Erik Neves


Imagem da Del Valle (ver post original abaixo) adaptada por mim (Adolfo Neto)



Post original:

Como a publicidade doura a pílula:Por lei, os ingredientes devem ser listados em ordem de peso/volume. Olha o que vem...
Posted by Erik Neves on Tuesday, September 29, 2015

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Dieta paleolítica e Dieta low carb: definições do Dr. Souto

"Dieta paleolítica não é uma dieta low carb; é apenas uma estratégia alimentar focada em alimentos naturais, não processados ou minimamente processados, mais semelhantes àqueles que o ser humano consumia durante a evolução. "

"Dieta low carb é uma intervenção terapêutica: trata-se de uma estratégia comprovadamente eficaz para o manejo de síndrome metabólica, diabetes, e sobrepeso (especialmente em pessoas portadoras de resistência à insulina - RI). Ou seja, low carb é uma estratégia focada em uma porção específica da população."


Fonte (das definições e da imagem): O erro de tratar os diferentes de forma igual - resistência à insulina impacta na resposta à low carb, José Carlos Souto

Se alguém me perguntasse por onde começar (seja uma dieta low carb ou uma paleo), eu diria: comece cortando o açúcar. Mesmo que no começo isto implique em, no início, usar adoçantes.


sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Indústria Farmacêutica patrocina evento de sociedade médica que é contra o óleo de coco

O Dr. José Carlos Souto escreveu um post maravilhoso "Óleo de Coco - de novo" sobre um certo comunicado, de uma certa sociedade médica. Não vale a pena mencionar o nome da sociedade pois com certeza o que eles estão querendo no momento é "Falem mal, mas falem de mim".

A única coisa que quero destacar é que esta sociedade organiza um evento anual. Este ano o evento aconteceu em Vitória-ES. Olhem quem são os "Patrocinadores":



As três empresas acima são grandes empresas farmacêuticas e as três já foram envolvidas em problemas relacionados a seus "produtos", de acordo com a Wikipedia: [1], [2], [3].

Numa parte do evento, chamada de Simpósio Satélite, as seções tem até os nomes das empresas farmacêuticas no título:




Vocês acham que é um conflito de interesse que nossos médicos endocrinologistas sejam treinados num evento patrocinado por indústrias farmacêuticas?

quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Gordura saturada não é saudável? Repense...

Estudo novinho, saindo do forno do British Medical Journal (uma das mais importantes revistas da área de Saúde no mundo), mostrando que o consumo de gordura saturada não está associado a mortalidade por todas as causas, doença cardiovascular,doença coronariana, acidente vascular cerebral isquêmico, ou diabetes tipo 2:


Trecho do artigo com as conclusões. Reparem no destaque às limitações dos resultados.
O site do Express exagera, como todo jronalista.

Notícia para leigos, com os exageros de sempre: http://www.express.co.uk/…/…/597709/Normal-milk-low-fat-kill

Artigo científico com acesso aberto: http://www.bmj.com/content/351/bmj.h3978

sábado, 1 de agosto de 2015

Livro novo do Jimmy Moore (co-autor de Cholesterol Clarity e Keto Clarity)

Jimmy Moore (o criador do Livin' La Vida Low-Carb blog e podcast) acaba de lançar um novo livro e já está à venda (em papel) no Brasil:

The Ketogenic Cookbook: Nutritious Low-Carb, High-Fat Paleo Meals to Heal Your Body


Este livro ele co-escreveu com a Maria Emmerich. Está caro (mais de 120 reais) mas é um livro de 432 páginas! E é importado (num momento de dólar mais caro).

Os livros anteriores dele (Keto Clarity e Cholesterol Clarity, em parceria com o Dr. Eric Westman) estão por um preço bem mais razoável na versão para Kindle: em torno de 25 reais. Assista abaixo um vídeo que fiz com os dois quando estiveram em Raleigh, Carolina do Norte:





quarta-feira, 24 de junho de 2015

Ironman a 800 dólares

Já que o Nelton postou como público, tenho obrigação de republicar aqui:



Sabe porque o Ironman aumentou para 800 doletas a inscrição? Pq não duvido que ano que vem coloque para mil dólares? ...
Posted by Nelton Araujo on Wednesday, June 24, 2015


E me comentário lá foi: É mais complicado ainda. Tem demanda e ser caro torna até mais atrativo para algumas pessoas. E quem faz dificilmente vai dizer que não gostou. Se a pessoa paga caro acaba se programando para gostar. E vai dizer que adorou para todos os colegas, aumentando ainda mais a demanda.

terça-feira, 23 de junho de 2015

Órgãos - Death by Food Pyramid, Denise Minger

Continuando os comentários sobre o livro Death by Food Pyramid:

Segundo a autora, antigamente se comia mais órgãos (em inglês, offal): língua, cérebro, coração, rins, pâncreas, figado, tripas. Tudo isto estava nas receitas do manual da Crisco (a primeira margarina sobre a qual comentei no post anterior). Perdemos muito, nutricionalmente, com a eliminação destes itens de nossa dieta.

Além disso, a autora comenta que o próprio livro criado pela empresa que comercializava a Crisco enaltecia a gordura como o nutriente que nos dá mais energia e vigor:
In its chapter titled “Man’s Most Important Food, Fat,” The Story of Crisco remarked, “No other food supplies our bodies with the drive, the vigor, which fat gives. No other food has been given so little study in proportion to its importance.

E porque Crisco fez tanto sucesso? "Vinha de plantas, era firme, era saboroso, era barato, permitia frituras sem fumaça." Só anos depois fomos descobrir que gordura hidrogenada era também um veneno.

Crisco was indeed nothing short of a miracle. It came from plants; it was firm; it was tasty; it was cheap; it fried foods without smoking.



sábado, 20 de junho de 2015

Margarina e Banha de Porco - Death by Food Pyramid, Denise Minger


Estou lendo Death by Food Pyramid, de Denise Minger (hoje está 45 reais na Amazon mas comprei por 1 dólar numa promoção do Buck Books - clique aqui para assinar e receber email quando acontecer outra promoção). Excelente livro.Não estou checando para ver se tudo o que ela diz é verdade. Espero que seja. Aqui um resumo do que ela diz sobre margarina e banha de porco:

A margarina foi criada inspirada na banha de porco. O problema inicial que levou à redução do consumo da banha foram as péssimas condições de produção da época. Ratos e carne humana, eventual e acidentalmente, faziam parte do processo, segundo Upton Sinclair.

Procter e Gamble criaram a margarina, mas a hidrogenação havia sido criada anteriormente por cientistas/tecnologistas.

A banha era usada para fazer sabão e velas. Com a chegada da eletricidade o mercado de velas diminuiu.

A semente de algodão era lixo e deu origem ao óleo de algodão que foi a base para a margarina.

A margarina era barata pois usava lixo. Isto é, material que a agricultura da época descartava.

Crisco (nome comercial da primeira margarina) fez sucesso rapidamente por conta de forte campanha de marketing.

terça-feira, 26 de maio de 2015

Ovo!


Não deixem de ler os posts abaixo:

Inspirados por uma matéria de uma revista ruim, mas que parece que desta vez se superou:





Depois de anos condenado, ele foi absolvido.Amanhã nas bancas, no tablet e no iPhone!Assine: http://abr.ai/1huaZdJ
Posted by VEJA on Friday, May 22, 2015

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Escrever e distrações

"Trabalhar em um laptop que está conectado à internet é como tentar escrever em uma máquina de escrever que está soldada a um circo."




Fiquei sabendo deste tweet na palestra de Shannon Hale hoje à noite na Quail Ridge Books. Abaixo algumas fotos desta palestra. O blog da autora é bem interessante, particularmente este post com os passos necessários para escrever.




domingo, 22 de fevereiro de 2015

Um pouco de aleatoriedade é útil e necessário

Como diz Nassim Nicholas Taleb neste post:


Um pouco de aleatoriedade é útil. E até mesmo necessário.
Sem ela, como tomar decisões em certas situações? 

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

Nova TED talk de Miguel Nicolelis




Foi publicada no site do TED a mais recente TED Talk de Miguel Nicolelis (se você não sabe quem ele é, leia isto).

A palestra foi sobre comunicação cérebro-a-cérebro e dedicou boa parte do seu tempo ao projeto Walk Again, mas também mencionou outros projetos.

Hoje, a palestra é destaque na página oficial do TED: Ted.com



Neste exato momento tem "apenas" 142,134 views, mas o número deve aumentar bastante nos próximos meses. A palestra TED anterior de Nicolelis já tem mais de 1 milhão de views.


Para mais informações sobre o trabalho de MIguel Nicolelis e sua equipe, visite:

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Comida brasileira é isto aqui?


Hoje vai ter a Refeição Brasileira (Brazil Meal) em dois Refeitórios (Dining Halls) da North Carolina State University.

Abaixo o cardápio.

Que acham?

 


Em versão texto e com detalhamento dos ingredientes que podem provocar alergia (uma questão séria por aqui):

Allergy Friendly at NC State – A Taste of Brazil Menu Preview

Jan.21, 2015 Who’s excited for our first dining event of 2015? I know I am! This Thursday, January 22, get ready to experience “A Taste of Brazil” at Fountain and Clark dining halls from 4:30-8:30 PM. I’m always game for trying new kinds of food, and the menu for this event looks like a good one. Here are the menu items and allergens:

Tossed Salad – No Allergens
Brazilian Carved Beef – No Allergens
Marinated Carved Pork – No Allergens
Chicken Rojo – Soy
Vegan Feijoada – Soy
Empanada Pie – Dairy, Eggs, Gluten
Brazilian Pinto Beans – Soy
Cilantro Lime Rice – Soy
Brazilian Collards – No Allergen
Brazilian Corn – Dairy, Eggs
Chicken Salad Salpicao – Dairy, Eggs
Cilantro Lime Dressing – Dairy
Artichoke, Green Bean and Palm Salad – No Allergens
Cheese Bread – Dairy, Eggs
Coconut Cake – Dairy, Eggs, Gluten, Soy
Carrot Cake – Dairy, Eggs, Gluten, Nuts, Soy
Juice Bar – No Allergens

Looks delicious! Also please note that the Cheese Bread does NOT contain gluten as it is made with tapioca flour! I’m sad to be missing out on the carrot cake and coconut cake (two of my old favorites), but there are still a variety of meats and sides to choose from! Email Lisa Eberhart (ljeberha@ncsu.edu) with any questions and see you there!

-Kathleen




Devemos Reduzir o Consumo de Sal?

O Danilo Balu, do blog Recorrido e colunista do Webrun, escreveu recentemente um post sobre o sal: Você tem medo de Sal? Pois acho que não deveria...


E hoje em 2 tweets ele mencionou um artigo bem recente sobre o tema




A menção a @jjdinicol é por conta deste tweet:


Os resultados e conclusões do artigo "Dietary Sodium Reduction Does Not Affect Circulating Glucose Concentrations in Fasting Children or Adults: Findings from a Systematic Review and Meta-Analysis" publicado no The Journal of Nutrition (fator de impacto 4.2 em 2013, o 11o. melhor na categoria Nutrition & Dietetics, entre 79 - portanto entre os 15% melhores da área), foram as seguintes:



Results: Participants were 10–79 y old, either primarily healthy or with hypertension. In meta-analyses of 20 randomized, crossover trials (n = 504 participants) and 9 nonrandomized crossover trials (n = 337), circulating glucose concentrations of fasting participants were not affected by reduction in sodium intake. In contrast, in meta-analyses of 19 of the 20 randomized, crossover trials (n = 494), fasting insulin concentrations were 9.53 pmol/L higher (95% CI: 5.04, 14.02 pmol/L higher) with sodium reduction. In 9 nonrandomized trials (n = 337), fasting insulin did not differ with reduced sodium intake. Results differed little when the analyses were restricted to studies with a low risk of bias and duration of ≥7 d. 

Conclusions: This meta-analysis revealed no evidence that, in trials with a short intervention and large reductions in sodium, circulating glucose concentrations differed between groups. Recommendations for future studies include extending intervention durations, ensuring comparability of groups at baseline through randomization, and assessing sodium intakes relevant to population sodium reduction. In addition, analyses on other metabolic variables were limited because of the number of trials reporting these outcomes and lack of consistency across measures, suggesting a need for comparable measures of glucose tolerance across studies. 


O trecho que o James DiNicolantonio e o Danilo Balu destacaram foi este:


"fasting insulin concentrations were 9.53 pmol/L higher (95% CI: 5.04, 14.02 pmol/L higher) with sodium reduction."

"as concentrações de insulina em jejum foram 9,53 pmol / L maiores (IC 95%: 5,04, 14,02 pmol/L superior) com a redução de sódio."

Mas os próprios autores nas conclusões não quiseram se comprometer muito, até porque o objetvio era "avaliar os efeitos da redução de sódio na tolerância à glicose" e não relacionar com insulina.


Dr. Souto também tem um post sobre o Sal.

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Excelente post do Dr. Souto sobre a Falácia do Espantalho

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Nutri Informa, o Informativo Nutricional da UTFPR continua desinformando em 2015

Recebi o seguinte email hoje, pelo broadcast de servidores da UTFPR, onde trabalho, alertando sobre os informativos nutricionais da UTFPR:



Como eu já tinha observado várias afirmações estranhas nos informativos anteriores, quis ver se a edição de Janeiro 2015 estava melhor. Não estava. Foi uma edição de conselhos para o Ano Novo. Tem conselhos corretos lá, mas vou destacar o que acho parece bem errado até para um leigo como eu:

Gordura saturada e sal:





Como assim "reduza o consumo de gordura saturada (animal)" e "sal"?  O Informativo sabe quanto eu consumo? Talvez eu consuma bem pouco e precise aumentar meu consumo... O mesmo vale para o sal. Além disso, todo mundo sabe que está aconetecendo muita discussão sobre estes dois temas nor últimos anos (Dr. Souto já escreveu sobre as mudanças que estão acontecendo com relação a gordura saturada e ao sal) e não faz sentido para mim simplesmente dizer "reduza o consumo".

E, sim, eu sei que o Dr. Souto é "apenas" (é um papel muito importante) um popularizador da ciência. Não é um cientista. Mas é um clínico que trata pacientes e que entende como ciência funciona. Vale a pena sim ler os textos dele e, se duvidar do que ele escreveu, vá atrás dos artigos. Ele posta os links dos artigos/documentos  ou links para os links. Já o Informativo...

Jejum:



É claro que nem todo mundo pode sair por aí fazer jejum intermitente (leia aqui no blog do Dr. Souto) mas o jeito absoluto de escrever ("não ignore o café da manhã", "não deixe de fazer qualquer outra refeição") me incomoda. Agora mesmo, 10:24 da manhã, estou escrevendo quase em jejum (bebi um pouco de café com leite e creme às 7h, mas não consumi nada sólido), depois de 1h correndo e de ler alguns abstracts de artigos da mais nova edição da IEEE TSE.


Fuja das dietas malucas e restritivas:




Conselho muito pouco específico. Quais são as dietas malucas e restritivas? Por que elas fazem mal (se devemos "fugir" delas, é porque provavelmente fazem mal)?

O próprio informativo acabou de propor várias restrições. A dieta proposta (veja item acima "Gordura saturada e sal"). Seria uma contradição?



Fontes:

O pior mesmo foi no final citar, com um link quebrado, um guia nutricional que, em sua página 12, contém a pirâmide alimentar (algo já bem contestado).

segunda-feira, 12 de janeiro de 2015

Sobre escrever

"Faça todos os dias por um tempo ... Faça como você se você treinasse escalas no piano. Faça como um pré-combinado com você mesmo. Faça como uma dívida de honra. E faça um compromisso de terminar as coisas."

"Do it every day for a while … Do it as you would do scales on the piano. Do it by prearrangement with yourself. Do it as a debt of honor. And make a commitment to finishing things."




De Bird by Bird, Anne Lamott.

Links relacionados:



sábado, 10 de janeiro de 2015

Grupos brasileiros Paleo/Lowcarb/LCHF no Facebook e seus números hoje (10/01/2015)

Paleo um Estilo de Vida
Link: https://www.facebook.com/groups/paleoestilodevida/?ref=bookmarks
4.706 membros.

Paleo - Primal - LCHF Saúde & Ciência
Link: https://www.facebook.com/groups/524620751016517/
5.986 membros

Dieta Paleolítica LowCarb (2º Grupo)
Link: https://www.facebook.com/groups/dietapaleoliticalowcarbfase2/
6.458 membros

Dieta Paleo
Link: https://www.facebook.com/groups/dietapaleolowcarbhighfat
14.701 membros
Este é um dos grupos que foi bloqueado por uns tempos.

Paleo Brasil
Link: https://www.facebook.com/groups/457758684268304/
1.327 membros.
O grupo Dieta Paleo surgiu como uma dissidência deste.

Seguidores de Dieta Low-Carb e Paleolitica
Link: https://www.facebook.com/groups/1424828927759824/
4.785 membros

Dieta Low Carb
Link: https://www.facebook.com/groups/dietalowcarb/
2.262 membros

Dieta TNT (low-carb / hi-fat / Paleo / Primal)
Link: https://www.facebook.com/groups/323001571143635/ 
4.653 membros

ZERO CARBOIDRATO - Dieta da Proteína (Cetônica)
Link: https://www.facebook.com/groups/zerocarbo/582114875266304/ 
28.283 membros 

DIETA DO CARBOIDRATO/PROTEINA
Link: https://www.facebook.com/groups/286934314659557/ 
25.575 membros

Atkins nova geracao (uma versão paleo)
Link: https://www.facebook.com/groups/1584444948442625/
12 membros
Muito novo! Vamos acompanhar o crescimento.
 
 

Esqueci algum?
 




terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Alimentação nas Escolas Públicas da Carolina do Norte

Através de uma postagem no Facebook, descobri um link para os cardápios das escolas públicas do Wake County, Carolina do Norte.

Com um cardápio desses, riquíssimo em carboidratos, como melhorar as taxas de obesidade infantil?

Por exemplo, no dia 7 de janeiro:

Pão com ovos: Egg Biscuit (biscuit é uma espécie de pão)
Pão de banana: Banana Bread

Nuggets de corn dog: Corn Dog Nuggets
Rolos com Macarrão/Queijo: Macaroni/Cheese w/Roll*
Sobremesa com iogurte, mateiga de amendoim e geléia: PBJ Swirl Box

Salada Romana: Romaine Salad Blend
Pedaços de batata doce com cobertura doce: Sweet Potato Bites w/ Maple Glaze
Salada de frutas: Mixed Fruit
Frutas frescas: Seasonal Fresh Fruit
Suco de laranja: 100% Orange Juice



Detalhe de 4 dias.

Cardápio completo da Middle School (6-8)

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Gary Taubes em primeiro geral na Amazon Brasil

For English readers:
Today (January 5th, 2015) Gary Taubes's Why We Get Fat is the #1 bestseller (all categories) on Amazon Brazil. And William Davis's Wheat Belly is #15.


Livro de Gary Taubes está hoje (05/01/2015) em primeiro lugar geral entre os mais vendidos na Amazon Brasil:






Fonte: http://www.amazon.com.br/gp/bestsellers/books/ref=pd_dp_ts_b_1

Quem me avisou foi a Carolina Amaro, no grupo Alimentação Paleolítica (Dieta Paleo).


E, neste momento (o ranking muda dia a dia), Barriga de Trigo está em 15o.

 

Observações sobre os Estados Unidos

Estou nos Estados Unidos desde abril de 2014 e logo logo estarei de volta ao Brasil. Já passou do tempo de colocar por escrito algumas observações sobre este país (que na verdade podem não se aplicar a todo o país, mas somente à minha experiência na região de Raleigh, Carolina do Norte).


  • É muito fácil encontrar produtos low fat. E é difícil encontrar produtos normais (com a gordura não removida) como, por exemplo, iogurte integral (sem ser low fat). 
  • Queijo de verdade é bem mais caro do que queijo processado.
  • Alguns supermercados (como o Food Lion) dão o preço por unidade. Por exemplo, no preço do papel higiênico está anotado o preço do pacote e o preço por pé quadrado (square feet), ficando muito mais fácil comparar qual marca e embalagem é a mais econoômica.
  • As pessoas de classe média e baixa fazem muitos serviços que no Brasil são feitos por terceiros:
    • Lavar e secar roupas (com o uso de lavadoras e secadoras).
    • Colocar combustível no carro. A propósito, o que falta para isso ser adotado no Brasil? É tão prático!
    • Pintar internamente a casa ou colocar papel de parede.
  • Americanos adoram bacon e amendoim.
    • Existe manteiga de amendoim em qualquer supermercado. Várias marcas e algumas apresentações: crocante, não-crocante, sem açúcar, etc. E é bem barato. Mas sabemos que amendoim não é lá muito saudável (por ser uma leguminosa). A vantagem é que dá pra encontrar também, mas só em supermercados mais sofisticados como o Whole Foods, manteiga de amêndoas (e de outras nozes também, mas a de amêndoas é a mais comum). Dá até pra fazer na hora numa máquina.
    • Existem vários produtos com amendoim, a maioria doces.
    • Algumas pessoas tentaram estragar o conceito de bacon criando o "bacon de peru". Existe bacon de peru no Brasil? Dá pra chamar bacon de peru de bacon?


Bacon de peru.
Fonte: http://www.emmainprogress.com/2013/10/23/lets-talk-turkey/
  • Também tentaram estragar o conceito de manteiga criando a margarina. Até aí tudo bem. O pior mesmo é quando incluem o sagrado nome "manteiga" no nome de uma margarina!!! O nome da margarina é "I can't believe it's not butter!.". Traduzindo: "Eu não acredito que não seja manteiga!." Por mim isto seria proibido. Deveria se chamar apenas as duas últimas palavras , "Not butter!.", ou ainda "It's not butter!.", que traduzindo ficariam "Não-manteiga!." ou "Não é manteiga!.".
Margarina

Ok, em um post futuro continuo as observações.